Sunday, July 19, 2009

 

Aplicação do Método Clínico Piagetiano.














Investigar o raciocínio do aluno não significa simplesmente dar problemas formais para serem resolvidos individualmente, de forma rígida. Podemos aprender muito sobre o raciocínio da criança, se criamos tarefas, que embora bem estruturadas, não são rígidas em sua aplicação, nem devem ser resolvidas pelo sujeito isoladamente. O experimentador precisa participar com o aluno na resolução do problema. Devemos avaliar continuamente, pois o mais importante não é a aprendizagem que já ocorreu, mas, aquela que está acontencendo.

Piaget - Conservação
Conservação é definida por Piaget como a capacidade de perceber que apesar das variações de forma ou arranjo espacial, uma quantidade ou valor não varia se dele não se retira ou adiciona algo. Na criança surge entre os 7 e os 12 anos durante o estágio da operações concretas, variando conforme a quantidade ou valor a considerar. Assim é á partir dos 6/7 começa a conseguir conservar números, comprimento e quantidade de liquido. Em seguida vem a conservação de substância (7/8 a), área (9/10 a), e volume (11/12 a).Parece ser dupla a razão desta especificidade Primeiro porque determinadas quantidades (volume) tem uma possibilidade de experiência concreta mais remota que outras (comprimento). Depois porque o raciocínio da criança inicia-se pela percepção concreta que ela tem das coisas. Assim por exemplo, uma criança dirá que o volume é maior ou menor porque assim "parece"; e não por abstrair que a variação de determinada dimensão se compensa pela variação de outra.O domínio da percepção é típico da fase pré-operacional. Por isto, a introjeção de objetos e eventos progressivamente mais complexos demanda um concomitante e progressivo amadurecimento da criança. Significa dizer portanto, que é só na medida que este domínio da percepção concreta começa a diminuir, que a conservação de quantidades começa a poder ser percebida.

Piaget – Epistemologia Genética
O desenvolvimento cognitivo implica em maior conhecimento. Este não é apenas in- formação, mas também o conjunto de regras necessárias para organiza-la e transforma-la. Por isto é que seu sistema pode ser visto como uma teoria da Gênese da Epistemologia. Isto é, procura descrever / explicar como o ser humano cria a sua epistemologia pessoal. Assim, do ponto de vista piagetiano, caracteriza-se o desenvolvimento como a apropriação de sistemas gerenciadores de informação progressivamente mais avançados.



Piaget - Equilíbrio
O mais importante princípio básico da teoria piagetiana é que a interação com o meio tende à adaptação. Adultos e crianças agem visando o equilíbrio com o meio. Por isto o equilíbrio é, neste sistema uma força motivacional de considerável relevo. É algo nebuloso em Piaget, podendo definir-se de diferentes formas. No seu nível mais elementar, entende-se como um estado de equilíbrio entre a assimilação e a acomodação. A um nível intermediário, é a capacidade de compensação do ser humano, na presença de distúrbios externos (p.ex: Resolver problemas). No seu maior nível de complexidade, ele pode ser visto como uma estrutura cognitiva, caracterizada por regras lógicas, que permite todas as transformações e combinações de dados.

Piaget - Estagio
ISENSÓRIO MOTOR (de 0 a 2 anos)- A interação com o mundo é quase que exclusivamente feita por movimento e percepção. A linguagem não existe e o mundo não tem representação interna. O tempo não existe. É o aqui e agora no seu sentido mais literal. A mãe só existe enquanto visível ou audível. Não tem o conceito de objeto (algo com permanência e identidade). É a fase do Egocentrismo; a criança É o mundo. Nesta fase ela elabora o pequeno numero de esquemas c/ que nasceu. Desenvolve as seguintes habilidades fundamentais ao término desta fase:
Linguagem: Seu início implica na capacidade de manipular símbolos.
Conceito de objeto: Pode perceber sua identidade e permanência
Coordenação de atividades: P.ex: pegar uma caneta implica em coordenar o visual c/ o motor
Causalidade: Se A causa B, então pode fazer A para obter B (intencionalidade)

Piaget - Estágio II
Conhecido como estágio do Pensamento Pré-Operacional.
Extende-se dos 2 aos 7 anos. Toma este nome pela incapacidade da criança em realizar operações. Operação é uma atividade internalizada, c/ regras lógicas e reversível. Carateriza- se por marcante aumento na compreensão pela criança do mundo que a cerca. Divide-se em duas fases:
Pré-Conceitual (2/7a) - Pode representar internamente os objetos como formando classes (bonecos, carrinhos, etc.), mas não de forma completa (por ex: todos os homens são papá). Objetos semelhantes são iguais. Por exemplo; o carrinho que a criança vê na loja. É o carrinho que ela tem em casa. O seu raciocínio se faz por Transdução. Diferindo da dedução ( do caso geral para o particular) e da indução ( do caso particular para o geral), a transdução infere de um particular para outro (cães tem pelo, ursinhos e vassouras também, logo ursinhos e vassouras são cães ).
Intuitivo (4/7a)- Pensamento é mais lógico, porém ainda governado pela percepção concreta. Não compreende a conservação. O raciocínio nesta fase, como no estágio sensório-motor é também Egocêntrico, mas toma aqui um aspecto mais psicológico, enquanto lá era mais físico. Significa dizer a única verdade é a sua, só o seu ponto de vista existe. Pode classificar categorias, mas ainda de forma incompleta. Se elas são simples e únicas, tudo bem, mas basta aninhar uma classe dentro de outra, que o raciocínio desmorona.

Piaget - Estagio III
Denominado estagio das Operações Concretas, e vai dos 7 aos 11/12 anos.
Operação é uma atividade internalizada, c/ regras lógicas e reversível. Aqui as únicas operações possíveis são aquelas que a criança concretamente pode realizar. Ela pode lidar com classes, séries e números. Desenvolve ainda o conceito de conservação, mas ainda não pode lidar com o pensamento formal.Nesta fase ela já pode classificar objetos em grupos e subgrupos. Pode também seriar objetos (p.ex: do maior p/ o menor), entre si e pareando 1 a 1 duas séries. Ressalte-se que o seriamento se faz não pela comparação 1 a 1 mas no conjunto.
P.ex: A > B > C implica em A > B e B > C mas também em A > C
Pode também lidar com números, ainda que de forma incompleta. Compreende suas propriedades ordinais. Pode p.ex fazer 1 <>Piaget - Estagio IV
O último estágio do desenvolvimento do pensamento infantil (11-15a), é o das OPERAÇÕES FORMAIS. É quando surge o Pensamento Proposicional. A criança atinge o nivel do Hipotético. Ela pode ir do real para o hipotético, passando pelo meramente possível. Pode comparar estados de coisas hipotéticas com eventos reais. P/ ex: Ver o que se faz com o meio ambiente e preocupar-se com o que vai acontecer no futuro.

Piaget – Maturação
Uma criança não é um adulto em miniatura. Ao contrário, possui estruturas físicas e cognitivas diferentes. Durante o seu desenvolvimento, estas estruturas se modificam passando por vários estágios. A cada um corresponde um conjunto de estruturas cognitivas específicas

Piaget - Método Clínico
É a técnica de coleta de dados que fundamenta todo o seu desenvolvimento teórico. Usa entrevistas semi-estruturadas, nas quais algumas respostas indicam não só as questões seguintes, como também a maneira pelas quais elas deverão ser apresentadas. É uma técnica difícil de replicar, e muito diferente daquelas mais padronizadas, usadas pela maioria de seus contemporâneos. Posteriormente, métodos mais tradicionais vieram corroborar alguns dos seus achados.

Piaget - Teoria
A teoria piagetiana é principalmente uma teoria do desenvolvimento. São duas as questões fundamentais:
Quais são as características das crianças que permitem sua adaptação ao meio ambiente ?
Qual é o sistema mais simples, preciso e útil para classificar o desenvolvimento infantil ?
O sistema Piagetiano se alicerça em quatro princípios que o organizam:

Equilíbrio
Maturação
Gênese da Epistemologia
Método Clínico

Como teoria do desenvolvimento conceitual humano, abrange vasta extensão; linguagem, realidade, causalidade ,moralidade, tempo, inteligência, brincar, sonhos e imitação. Neste sentido o termo "cognitivista" é algo restritivo. É aplicável no entanto, na medida em que seu sistema lida com temas habituais a esta escola; percepção, inteligência, estrutura intelectual, etc.
Como teoria da aprendizagem podemos resumi-la em 3 assertivas:
O conhecimento se adquire gradualmente, pela interação da criança com o seu meio.
A sofisticação com que uma criança representa o mundo depende do seu estágio de desenvolvimento, que é função de suas estruturas cognitivas
O aprendizado é função da maturação, meio ambiente, equilíbrio e socialização.

Labels: ,


Comments: Post a Comment



<< Home

This page is powered by Blogger. Isn't yours?